Monday, May 02, 2005

RAZOÁVEL

O ministro da Administração Interna afirmou que é muito mais importante mudar a mentalidade dos condutores do que fazer alterações no Código da Estrada.

«Estamos com o número de mortos rigorosamente idêntico ao que tínhamos no ano passado. Mais do que o balanço sobre o Código é o balanço sobre as pessoas. E o balanço de como as pessoas conduzem é mau», explicou António Costa.

O responsável máximo pela Administração Interna não quis fazer um balanço sobre os efeitos de um mês de novo Código da Estrada, apesar de ter referido que as coisas estão a correr ao nível do pagamento imediato das multas.

António Costa admitiu ainda que no que se refere ao transporte de crianças as regras terão de mudar, mas assegurou que não estão previstas mais alterações ao Código da Estrada para já.

O ministro explicou ainda que o «país não pode estar sempre a ser reinventado» e foi posto em vigor «um Código que estava aprovado» e que «foi feito um esforço da parte do Direcção-geral de Viação para regulamentar o que tinha de ser regulamentado».

«Tal como este Código da Estrada, todas as leis estão sujeitas a exercício de avaliação. Há dados que sabemos que implicam correcção, nomeadamente no que diz respeito à protecção de crianças dentro das viaturas, Estão dentro das normas a serem rapidamente corrigidas, porque deve tratar-se de um lapso do legislador que importa corrigir», disse.

No entanto, António Costa, que está a acompanhar a presidência temática de Jorge Sampaio sobre a sinistralidade rodoviária, quer para já ir «aplicando, avaliando e corrigir o que for necessário corrigir».